O marketing boca-a-boca na era das mídias sociais


Por Camila Carrano

 

comunicação sempre existiu desde o inicio das civilizações, mesmo de forma precária. Uma das principais características dos seres humanos é a forma de pensar e o fato de poder se comunicar. Assim, desde sempre, a divulgação boca-a-boca é uma ferramenta do marketing, afinal, ninguém melhor que o consumidor para falar dos produtos e divulgá-los.

Na atual era comunicacional, onde os meios digitais estão cada vez mais presentes, este boca-a-boca se tornou mais nítido e utilizado para fins de marketing. As pessoas estão aprendendo a ouvir não apenas os contatos diretos, mas acabam por pesquisar no mundo online cada vez mais sobre suas marcas de interesse, assim oferecendo às empresas oportunidades e desafios.

Assim, é necessário não apenas entender este tipo de marketing boca-a-boca, mas a necessidade das pessoas compartilharem histórias, incluindo a marca e experiências com produtos.  Apesar desses diálogos serem geralmente offline, cada vez mais as pessoas estão elogiando e reclamando através das redes sociais. E existem muitas razões pelas quais as pessoas compartilham essas experiências com a marca, muitas delas são por fatores psicológicos, e é importante conhecer e compreende-los, afinal, a última palavra é normalmente sempre sobre a vontade e motivação das pessoas, sejam negativas ou positivas em compartilhar histórias e experiências.

MindJumpers, agência que cria estratégias online nos EUA elaborou 5 razões para essas motivações, e aqui estão elas:

O desejo de aceitação social e reconhecimento

As pessoas querem pertencer ao seu ambiente, em micro e macro-níveis. Eles gostam de contribuir, nos relacionamentos, bem como os grupos sociais. Eles buscam reconhecimento e valorização. Uma das principais motivações psicológicas por que as pessoas discutem seus produtos e experiências de marca com os outros é de cerca de pertencer e contribuir para o(s) grupo(s) social(is) a que pertencem.

O desejo de distinguir-nos

As pessoas não estão olhando apenas para a aceitação social, eles querem pertencer, mas também distinguir-se do grupo. E isso inclui falar sobre as experiências únicas que vivenciaram com produtos que consome. É muitas vezes uma forma de atrair a atenção e distinguir a nós mesmos. É uma forma de ser diferente e até mesmo passar inveja aos outros.

O desejo de irradiar sabedoria, poder, influência e autoridade

Algumas pessoas gostam de se posicionar como especialista em uma área específica, seja em pequenos grupos sociais (família) ou grupos maiores (uma indústria). Se a experiência dessas pessoas é reconhecido pelos outros, são fontes muito importantes de boca-a-boca. Os seus conhecimentos tornam uma fonte confiável de informação na percepção de seus conhecidos ou “seguidores”.

O desejo de fazer o bem

As pessoas gostam de agradar e fazer o bem. Embora muitas vezes a motivação psicológica por trás disso é se sentir bem sobre nós mesmos, mas nós, seres humanos,  gostamos de atenção e ação. Isso é diferente de olhar para a aceitação social e reconhecimento. É sobre a pura alegria quando alguém aprecia o que fazemos. Fazer algo de bom muitas vezes podem dar bons conselhos. Se alguém duvida sobre a compra de um produto ou serviço e nós podemos oferecer-lhe um bom conselho, com base na nossa experiência pessoal, sabendo que eles serão felizes com o que os aconselhou a comprar, somos recompensados com a gratidão e um sentimento positivo de auto-estima.

O desejo de partilhar experiências e contar histórias

Grande parte da comunicação humana é elucidativa: partilhamos experiências e informações. É uma necessidade humana básica. Em conversas, produtos e marcas são muitas vezes discutidas: parques de diversões que temos visitado, restaurantes onde fomos jantar ou produtos que nós compramos. Se a experiência com os produtos ou marcas foi positiva, a história é positiva.

Fonte: http://www.pontomarketing.com/midias-sociais/o-marketing-boca-a-boca-na-era-das-midias-sociais/

Anúncios

2 comentários

  1. ANDREIA FARGNOLI · março 22, 2011

    Humberto , não sei se sabe , mas trabalho com Marketing em uma Concessionária VW.
    Já não se pode mais falar sobre um novo produto sem fazer referência ao “marketing de boca-a-boca. Isso nos permite influenciar a decisão de compra de outros.
    Quanto mais as pessoas vêem um determinado produto utilizado em público, ou quanto mais ouvem a seu respeito por parte de pessoas conhecidas e em quem confiam, maior é a probabilidade de que venham a comprá-lo.
    Mas não é todo produto que se presta a esse tipo de marketing. “É preciso que ele seja interessante”.“O produto tem de fazer justiça à falação em torno dele.

    O marketing de boca-a-boca deve ser usado com muito discernimento para que seja eficaz.

  2. capitaofigueiredo · março 22, 2011

    Interessante o que acrescentou Andréia!

    Humberto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s