JULGAR COM MODERAÇÃO

Por Gabriel G. Barreira

Imagem

Enquanto houver público para o humor negro, haverá piada. Não há como (nem talvez por que) exterminá-lo. Utilizando-se deste perigoso artifício nos tragicômicos (?) programas da tarde, a repórter Mirella Cunha ironizou um detento apontado como possível estuprador. Ele assume ter tentado roubar uma mulher, mas desesperado pela outra acusação se oferece a fazer um exame de corpo de delito para esclarecer o caso. Por ignorância, se confunde e diz “exame de próstata”.

A graça dura pouco. A repetição dela e a humilhação pública dele vão além do tolerável. O tripúdio a um preso quase aos prantos causa furor no inconsciente coletivo. É o deboche de toda uma sociedade de beca contra os iletrados. É o achar graça das mazelas de um povo que padece sem educação e se torna marginal por opção de sobrevivência. Todo esse clamor uníssono, extravasado nas mídias sociais, se explica pelos nossos 300 anos de escravidão, pelo preconceito pentacentenário ad extremum contra os negros. Contra a exclusão dele do mercado de trabalho, contra a inércia do Estado.

É uma “curtida” catártica, uma “compartilhada” incursão a toda a sociologia de um Casa Grande e Senzala. Mas a demonização da repórter é em vão. A discussão não tem interlocutor. É a crítica da qual ninguém discorda – nem eu, que fique claro. Seria praticamente impossível contra-argumentar com alguém que se ponha ao lado da repórter, aliás.

Vícios da nossa cultura

De imediato, me vem à cabeça a entrevista que o rapper Emicida deu ao repórter Bruno Alfano, do Destak, num paralelo distante. “Vagabundo só fala mal do Restart, em vez de cobrar o Minc.” É por aí. É uma revolta imobilizante.

O clique cool das redes sociais é raso, ignora um grande problema. O ser humano merece respeito, claro, mesmo sendo um detento. O erro, porém, está em encurralar o entrevistado num crime sem juízo. Se a pseudoinformação vaza no presídio, ele pagará na mesma moeda. Sendo currado. Talvez até a morte. Prejulgar é normal, mas tenha moderação. O preconceito é um vício não só do brasileiro, mas do ser humano. Intrínseco. Só é preciso saber domá-lo.

Por outro prejulgamento, um jornalista do SBT foi alçado aos céus. O cinegrafista anônimo filma Cândido Vaccarezza e Sérgio Cabral trocando mensagens. Eles são cúmplices de um suposto crime, qual? Não se sabe. Ali estão as intimidades de dois homens públicos. Reveladas, dão a entender que estão em débito. Isto justifica a invasão de privacidade? Difícil de responder.

E é ótimo que seja difícil. Esta discussão tem dois lados e – o melhor – ninguém para ser crucificado. Outro vício da nossa cultura…

***

[Gabriel Góes Barreira é jornalista, Rio de Janeiro, RJ]

Fonte: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed696_julgar_com_moderacao

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s