AS DUAS FACES DE UMBERTO ECO

Por Manuel Carlos Chaparro

O professor Umberto Eco de novo espantou o mundo com o vigor falante da sua autoridade intelectual. Desta vez, o ilustre escritor, ensaísta e filólogo mirou o exercício do “direito à palavra”, garantido pela Internet também “aos imbecis”.  E provocou polêmicas, nas quais  (com atraso prudente) arrisco intrometer-me, para alinhar entre aqueles que estranharam a fala arrogante do professor com quem todos nós já tanto aprendemos.

Era uma quinta-feira, 11 de junho. Umberto Eco estava na Universidade de Turim, para receber o título de doutor  honoris causa  em comunicação e cultura. E quando chegou a sua vez de falar, soltou o verbo em cima das redes sociais, pelas quais – disse – uma “legião de imbecis” que antes “falavam apenas em um bar e depois de uma taça de vinho, sem prejudicar a coletividade”.

Em crescendo crítico, Eco amplificou as suas já conhecidas restrições às tecnologias da informação.  Mas com imprudências semânticas preconceituosas e ofensivas que não se esperariam de um especialista em semiótica e teoria do discurso. E que já escreveu, faz anos, a frase histórica que deu título a um dos seus ensaios: “Quando o outro entra em cena, nasce a ética.

Em Turim, o discurso foi outro.

“Normalmente”, disse Umberto Eco, “eles, os imbecis, eram imediatamente calados, mas agora têm o mesmo direito à palavra de um  Prêmio Nobel”. E foi além. Em jeito de contextualização, lembrou que a TV já havia colocado “o idiota da aldeia” em um patamar no qual ele se sentia superior.  Para acrescentar: “O drama da Internet é que ela promoveu o idiota a portador da verdade”.

Graças ao poder difusor  das criticadas tecnologias da globalização, a notícia da fala do novo doutor da Universidade de Turim  imediatamente correu mundo e gerou efeitos.

Sem o mesmo poder  transformador, mas com igual velocidade e alcance universal, também as eventuais postagens dos  “imbecis” correm pelos dutos da malha digital – direito e privilégio que, no dizer de Umberto Eco, deveria ser exclusivo dos “não imbecis”.

A notícia da fala de Umberto Eco não nos diz com clareza em que nível de significação ele utilizou a palavra “imbecil”. Mas não foi, certamente, na significação que os glossários da psiquiatria lhe atribuem, para denominar as vítimas da “imbecilidade” –  retardo intelectual  que encurta a idade mental das vitimas.

Pela terminologia  especializado da psiquiatria, “imbecil” é o indivíduo adulto cuja idade mental equivale à de uma criança entre os três e os sete anos.

Mas o termo caiu em desuso na psiquiatria. Atualmente, a clínica psiquiátrica trata as vítimas da imbecilidade como “pessoas portadoras de deficiência intelectual moderada”. E evita a palavra “imbecil”, devido à conotação ofensiva adquirida pelo uso popular do termo,  como sinônimo de “idiota”,  “estúpido”, “burro”, “ignorante” –  uso ostensivamente também assumido na fala do professor Eco em Turim.

Para bradar ao mundo a sua questionável crítica à liberdade de acesso à Internet e ao direito universal de DIZER, o professor Umberto Eco não precisava subir no palanque da arrogância intelectual. E foi o que fez.

Como admirador do professor Umberto Eco, e beneficiário dos seus saberes, lamento profundamente que na cerimônia da Universidade de Turim, pela voz do orador homenageado,tenha falado a arrogância da ciência que tudo sabe, impondo silêncio à humildade da sabedoria que lamenta não saber mais.

(Dou destaque gráfico à frase em homenagem ao poeta e pensador William Cowper, que viveu no século 18 e nos deixou, entre tantos outros, o seguinte pensamento: A ciência é orgulhosa por tanto saber; a sabedoria é humilde por não saber mais.)

Embora silenciado pelo cientista arrogante que falou em Turim, o sábio humilde também existe em Umberto Eco. Sabedoria e humildade que dão tom, forma e conteúdo a um dos textos que compõem  o livro Cinco Escritos Morais (“São Paulo, Editora Record, 1998).

É desse texto o seguinte recorte:

“(…) temos concepções universais acerca do constrangimento: não se deseja que alguém nos impeça de falar, ver, ouvir, dormir, ingurgitar ou expelir, ir aonde quisermos; sofremos se alguém nos amarra ou nos mantém segregados, nos bate, fere ou mata, nos sujeita a torturas físicas ou psíquicas que diminuam ou anulem nossa capacidade de pensar. (…) Esta semântica já se tornou a base de uma ética: devemos, antes de tudo, respeitar o direito da corporalidade do outro, entre os quais o direito de falar e pensar.”

****

(Conheça outros trechos do mesmo texto de Umberto Eco, que tem como título a frase já citada:“Quando o outro entra em cena, nasce a ética”.acessando a páginahttp://www.oxisdaquestao.com.br/colunas-integra.asp?col=5&post=683 )

Fonte: Site Observatório da Imprensa (http://observatoriodaimprensa.com.br/jornal-de-debates/as-duas-faces-de-umberto-eco/)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s