REFLEXÕES SOBRE POLICIAMENTO COMUNITÁRIO

(*) Humberto Gouvêa Figueiredo

 

Há exatos dezoito dias estou à frente do honroso cargo de Comandante do Policiamento do Interior – 3, responsável pela gestão da polícia ostensiva nos noventa e três municípios que compõe a região, e posso, com alguma segurança, dizer que a mensagem que tinha a intenção de transmitir aos meus colaboradores, à comunidade a que sirvo, aos veículos de comunicação e às autoridades constituídas foi concretizada.

A linha do comando da Polícia Militar já é inequívoca para quem ouviu a minha posição: o foco será a execução de ações pautadas na filosofia de polícia comunitária!

A aproximação com a comunidade, o olhar mais atento às vítimas e aos cidadãos de bem, a prestação de contas e o esclarecimento acerca do trabalho policial militar, por meio das Audiências Públicas, a valorização dos Conselhos Comunitários de Segurança (CONSEG´s) com fortalecimento dos existentes e reativação dos que se inativaram por razões diversas, são algumas das ações relacionadas com a filosofia de polícia comunitária que serão potencializadas em Ribeirão Preto e nas outras cidades que fazem parte da região.

Trabalharei incansavelmente para que o policial militar, particularmente aquele que atua na atividade fim, no policiamento ostensivo, seja prestigiado e valorizado, criando condições para que ocorra o que de fato deve sempre acontecer: que ele seja querido, respeitado e reconhecido pelo conjunto da população, que enxergue nele não um “lixeiro social” (e aqui quero registrar o meu respeito pelos profissionais que coletam lixo!!!), como alguém que só importante para afastar das pessoas o que lhes incomoda ou lhes causa transtorno, mas sim, um agente de proteção e de promoção de direitos individuais e coletivos, um verdadeiro “anjo protetor” dos cidadãos de bem.

Embora seja missão da Polícia o combate ao crime, a aplicação da lei e a manutenção e preservação da ordem pública, a tarefa de proteger as pessoas será a prioritária para todos os policiais militares, a começar de mim até o mais novo dos nossos Soldados: todos deveremos ter o foco na prática constante dos verbos servir  e proteger.

Estou certo de que não será um caminho tranquilo, que em diversos momentos a sociedade e a imprensa cobrarão da Polícia Militar, a face mais ostensiva e presente do complexo sistema de segurança e justiça criminal, respostas e soluções a problemas com cujas causas ela não contribuiu, mas que resultaram em crimes que devem ser combatidos: e os crimes serão enfrentados, podem acreditar, porque este também é o nosso papel, mas não nos permitiremos nos afastar da nossa vocação, que é a de proteger o cidadão de bem, estando dele mais próximo para evitar que seja ele vítima de um fato delitivo.

Com confiança e com o apoio de todos os quase quatro mil colaboradores, oficiais e praças da Polícia Militar na região de Ribeirão Preto, começo a minha jornada…que Deus permaneça ao meu lado, como sempre esteve!

 

(*) é coronel da PM e comandante do CPI-3

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s